Pequena nota sobre Filosofia Brasileira ou Latino-Americana

AbaporuCada vez que leio algo sobre “Filosofia brasileira” ou “Filosofia Latino-Americana“, meus olhos sangram e alguns de meus neurônios morrem um tanto. Por que é tão difícil ver que isso é uma contradição em termos!?

1. Se “Filosofia X” significa a análise de problemas ou identidades geograficamente restritas, isso pode ser até uma análise filosófica, mas definitivamente não é uma “Filosofia”. É ridiculamente fácil de enxergar, na medida em que essa “filosofia”, por converter-se em análise política/sociológica/ideológica, afasta-se precisamente da pretensão de universalidade inerente ao trabalho conceitual, pela própria natureza necessariamente universal do conceito. Pode ser uma excelente sociologia, antropologia, ciência política etc. Mas não pode ser Filosofia.

2. Substitua “Filosofia” em “Filosofia Latino-Americana” por “Matemática”, ” Química” ou “Física” e me diga que diabos significa a busca por uma “Matemática Brasileira” ou uma “Física Latino-Americana”? Se Kant tivesse nascido em Curralzinho, ao invés de em Königsberg, a tábua das categorias seria diferente?

3. Leve a sério essa palhaçada e vamos ver até onde deveríamos ir. Devemos buscar uma “Filosofia Paulista”? Gaúcha? Ou então municipal? Da minha rua? Do meu prédio ou andar? Onde devemos parar essa busca “bonita” pelo “lugar de onde falamos”?

De uma vez por todas: argumentos e conceitos não têm bolas, peitos, nacionalidade ou time.

PS: Também escrevi sobre isso para o Blog da Nabuco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.