O projeto SKPapers e como usar ferramentas para acompanhar a produção acadêmica

Kierkegaard

No início de Migalhas filosóficas, Kierkegaard propõe um experimento, ou um “projeto teórico ou mental” (um Tanke-Projekt, em dinamarquês). Baseado no relato de Casey Bergman, resolvi fazer também um “projeto experimental”. Assim como no caso de Bergman, a ideia nasceu do problema – bastante prático – de acompanhar a produção de artigos acadêmicos e livros em uma determinada área de interesse.

O caminho mais natural, ao qual estamos todos acostumados, é a busca direta nas bases de dados. Contudo,  a “peregrinação” por entre as bases não apenas toma certo tempo, como é, por assim dizer, pouco produtiva. É preciso que, de tempos em tempos, voltemos aos sites para refazer as buscas e, além disso, tal processo não garante, de fato, que estejamos sempre a par das publicações mais recentes, uma vez que, se você refaz aquele processo de busca a cada quinzena ou a cada mês, pode ser que o volume de novidade seja muito grande ou, ainda, que alguma coisa importante tenha “perdido o prazo” neste intervalo. Isso pode não acontecer com frequência em Filosofia, mas pode ser bastante relevante em áreas como química, biologia ou medicina. Aqueles que querem dar um passo adiante, costumam salvar buscas e criar notificações por email. com isso, periodicamente as bases de dados enviam os resultados da sua busca salva. Ainda que isso seja um nível a mais na automatização do processo, há ainda a necessidade de manejar diversos emails – ao menos um de cada base – sem que aquele problema de delay seja resolvido.

Desse modo, com o intuito de automatizar o processo ao máximo e seguindo algumas instruções do próprio Bergman, bem como outras direções, resolvi criar o @SKPapers. Em termos gerais, é um twitterbot que dispara automaticamente um tweet toda vez que um novo artigo sobre Kierkegaard – direta ou indiretamente relacionado – for publicado em uma das bases monitoradas. Basta seguir a conta no Twitter para ser notificado.

sktt

Como se pode ver, o tweet contém o título do paper e um link para a entrada do artigo na base. A partir dali, caso você tenha acesso ao periódico, é possível encontrar o texto completo.

Por ora, as bases utilizadas são:

  • Web of Science;
  • EBSCO Host;
  • JournalsTOCS;
  • Springer;
  • PhilPapers.

Se você se interessou pelo bot, pode saber mais sobre o processo no próprio post de Bergman linkado acima, assim como ver uma descrição passo a passo para criar o seu próprio.

Com isso, eu não apenas espero que os Kierkegaard Scholars tenham uma ferramenta útil em mãos, mas que o projeto incentivo um maior e mais criativo uso da tecnologia na pesquisa e produção acadêmica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *