Para refletir sobre a Universidade

University of Bologna

Por motivos tão díspares como rankings, corrupção administrativa, perseguição e celeumas propriamente acadêmicas, a Universidade é uma das instituições que constantemente está em evidência. No entanto, para além desses focos de luz aqui e ali, pouco se reflete sobre sua natureza, sua identidade e seus objetivos. No bojo dessas discussões pontuais deveria haver, por parte daqueles que interessam-se cultural, política ou profissionalmente pela Universidade e por seus papéis e frutos históricos, uma reflexão aprofundada sobre o que significa tal instituição e, ainda, qual a miríade de aspectos nos quais ela se faz presente, modificando e sendo modificada nessa tradição nove vezes centenária. Há, para isso, alguns textos essenciais.

Roger ScrutonO filósofo britânico Roger Scruton escreveu, para a edição de setembro de 2010 da revista The Spectator um ensaio brilhante sobre The Idea of a University. O artigo não é novo, mas como todo escrito que toca em questões, problemas e instituições perenes, é atemporal e dever ser lido, relido e meditado. Um dos diagnósticos de Scruton, fatalmente preciso, ecoa um dos fatos mais candentes da atual vida acadêmica:

Most students now graduate in soft subjects that require ideological conformity rather than intellectual growth.
Em artigo mais recente, de abril deste ano, o mesmo Scruton volta ao tema na First Things, não sem certo pessimismo, em The End of the University:
Of course, the culture of the West remains the primary object of study in humanities departments. However, the purpose is not to instill that culture but to repudiate it—to examine it for all the ways in which it sins against the egalitarian worldview.
Em ambos os artigos, Scruton se refere ao Cardeal Newmanbasilar The Idea of a University, de 1852. Ali, lê-se uma das mais eloquentes definições da identidade e do objetivo da Universidade.
The University […] has this object and this mission; it contemplates neither moral impression nor mechanical production; it professes to exercise the mind neither in art nor in duty; its function is intellectual culture; here it may leave its scholars, and it has done its work when it has done as much as this. It educates the intellect to reason well in all matters, to reach out towards truth, and to grasp it.
Em se tratando de livros, há ao menos dois que não podem ser esquecidos nesta lista: God, Philosophy, Universities: A Selective History of the Catholic Philosophical Tradition, de Alasdair MacIntyre, bem como a tão atual obra de Alan Bloom, The Closing of the American Mind: How Higher Education Has Failed Democracy and Impoverished the Souls of Today’s Students.
Por fim, pode ser interessante dar uma olhada nos comentários de Heidegger e Jaspers, nos conselhos aos calouros, dados pelo Prof. Keith Parsons ou mesmo em um artigo que escrevi, ano passado, à Gazeta do Povo.
Você tem mais sugestões de artigos ou livros importantes para se pensar a Universidade, recomende-os nos comentários.

4 comentários Para refletir sobre a Universidade

  1. André

    Recomendo dois artigos do professor Franklin Leopoldo e Silva: “A perda da experiência da formação na universidade contemporânea”.

    “A experiência universitária entre dois liberalismos” (sobre a história da usp)

  2. Carlo Felipe Pace

    Não são espeficificamente sobre a Universidade, mas os “Escritos sobre a Educação”, do Nietzsche, oferecem ótimas reflexões.

    1. G. Ferreira

      Excelente lembrança, Carlo. Sobretudo os textos sobre Schopenhauer e a Filosofia universitária são realmente excelentes.

      Se encontrar online, disponibilizo o link por aqui.

      Obrigado pela sugestão. ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.